quinta-feira, 21 de junho de 2012

O Brasil está carente de gentileza!





Todos os dias me escandalizo com a falta de educação das pessoas, inclusive já comentei com vocês, alguns episódios que me tiraram do sério, porém, hoje tive uma visão diferente dos fatos, percebi que o mundo está mais carente de gentileza que educação.
Ter educação é saber se comportar adequadamente em qualquer situação, sem proceder de forma a causar constrangimento aos outros.
Penso que a gentileza expressa-se em atos e palavras, implica em ser acolhedor, solidário e tolerante.
Vou exemplificar:
Hoje como de costume, peguei o ônibus lotado em direção ao meu trabalho, fui para o fundo, pois não há nada que me irrite mais que aquele amontoado de pessoas em torno da porta do meio impedindo a passagem dos demais passageiros, estava em pé carregando uma bolsa pesada e ninguém se ofereceu para segurá-la(falta de gentileza), porém o que mais me impressionou foi ver um senhor de cabelos brancos, aparentemente fraco em pé ao meu lado, na hora eu pensei em como as pessoas são sem educação, será que não vêem o senhor idoso!(depois conclui que não é falta de educação e sim de gentileza).
Então surgiu um lugar para eu me sentar, mas o cedi para o senhor que se encontrava em pé. O senhor me agradeceu(é uma pessoa educada), porém não se ofereceu para segurar minha bolsa pesada(falta de gentileza).
Na hora meu sangue ferveu, pensei: "que senhor ingrato, cedi meu lugar e ele nem se ofereceu para segurar minha bolsa!"
Percebi que ele não se difere da maioria, e certamente não percebeu sua falta de gentileza.
A gentileza depende do hábito, e as pessoas não tem o hábito de serem gentis, muito pelo contrário, algumas até criticam gentileza como uma forma ultrapassada de viver, e muitas até confundem com fraqueza.
Cada vez é mais raro ver-se, uma pessoa que dê lugar a outra dentro de um ônibus lotado. Ou numa fila. Não falo aqui de obedecer a sua vez na fila, mas de dar a vez para outra pessoa que pareça mais aflita ou necessitada. Pelo contrário: quando podem, as pessoas `furam' a fila, quase sempre invocando um título ou uma posição social que os outros não têm.
Cada vez é mais raro ver as pessoas ajudando outras a carregar sacolas, a levantar objetos caídos, a ajudar um idoso a atravessar a rua, ou a empurrar um carro que não pega.
Quantas vezes, no trânsito, não esperamos o pedestre terminar de atravessar a rua, buzinamos impacientemente, não damos a vez ao que está pretendendo entrar numa via preferencial, nem damos carona à mulher grávida ou ao ancião.
"Muito obrigado", "por favor", "está ótimo o seu café", "bom dia", "boa tarde", "desculpe", são expressões que estão se ouvindo cada vez menos.
Quando esses pequenos gestos  vão sendo esquecidos, a pessoa vai ficando fria e áspera, acreditando que todos devem ser gentis para com ela, mas esquecendo que esse dever é recíproco e que devemos ser aquele que dá o primeiro passo.
Pensem nisso!
Podemos começar a mudar o mundo fazendo diferente, e ensinando nossos filhos através do exemplo!