sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Nada me basta.




Viver é mesmo um mistério.
Quando criança tudo o que precisava era da minha mãe, seu cheiro, seu hálito quente, seu abraço sincero, sua voz doce, seus beijos molhados...
Isso bastava, era suficiente, importante, mágico, único.
Me sentia plenamente feliz!
Era como cheiro de café fresquinho pela manhã;
gosto de sonho de padaria;
o calor do sol da manhã adentrando pela vidraça
e o frescor do vento despenteando meus cabelos.
O mundo parecia perfeito, colorido, perfumado
A medida que cresci o mundo se abriu em possibilidades, novidades, pessoas, sabores, cheiros e o colinho da mamãe já não bastava.
Como seria bom ser criança eternamente! Tudo o que eu precisava estava ao meu lado, era palpável, disponível.
Agora tenho a sensação de que nada me basta.
Não tem cheiro, sabor, pessoa, lugar, nada...
A sensação é de que sempre falta algo.
Nenhuma conquista é bastante, nehum colo é suficiente, nenhum amigo é verdadeiramente amigo.
Eu  espero mais do mundo e ele espera  mais de mim sempre.
De onde veio esse vazio?
O que mudou tanto?
Quero apenas que o colo de mãe me baste novamente.
Será que é pedir demais?
Não precisava fazer nada para receber.
Sujo, limpo, arrumado, desgranhado, certo ou errado.
Não precisava ser a melhor em tudo, nem a mais bonita, não precisava me maquiar, me vestir com as melhores roupas, ler os melhores livros, não!
Amor incondicional é disso que sinto falta...

Bianca Gabriela.